Quando o homem e a tecnologia tornaram o impossível possível!

05 de março de 2019

Quando o homem e a tecnologia tornaram o impossível possível!

Publicado em 2019 M02 12019 M02 1 • 45 curtidas • 9 comentários

Cerca de 5.000 km de condutores de alumínio calibre pesado, atravessando 1.142 torres de transmissão ao longo de 414 km. Tudo isso passando sobre e em volta de trechos traiçoeiros dos Himalaias em altitudes de quase 4 mil metros acima do nível do mar. Parece impossível, não é?

Bem, em poucas palavras, esse é o NRSS-29 – um projeto de transmissão de energia único na Índia (que vai de Punjab para Jammu e Caxemira), um empreendimento hercúleo para a Sterlite Power. Realizar essa tarefa e, além disso, cumprir com o prazo definido pelo governo de 50 meses, parecia quase impossível. Superar desafios difíceis como encostas perigosas, picos cobertos de neve, vento, tempestades e o cenário de legislação volátil e de ordem pública no vale da Caxemira não foi uma tarefa fácil. 

O desenvolvimento deste corredor de transmissão necessitava de algo extraordinário, e isso foi exatamente o que fizemos. Pesquisamos as melhores tecnologias globais disponíveis e assumimos alguns grandes riscos – porque era aí que estava a diversão. Esse projeto foi a melhor forma de reviver a finalidade central da nossa empresa – “Fortalecer a humanidade resolvendo os desafios mais difíceis em termos de fornecimento de energia.” 

Previsibilidade e planejamento de nível micro:

Desde o início, tínhamos consciência dos desafios que a equipe encontraria no caminho. O projeto foi dividido em duas fases ou elementos: Fase 1, que compreendia a linha de transmissão de Jalandar até Samba; e a Fase 2, que incluía as linhas entre Samba e Amargarh. A primeira fase, em terra plana, foi um trabalho típico de linha de transmissão e foi concluído 12 meses antes do previsto. No entanto, o principal desafio era concluir a Fase 2.

A ausência de estradas adequadas, os deslizamentos de terra e as incidências de inundações imprevisíveis no vale da Caxemira tornam toda a região quase inacessível. Sabíamos que a única maneira de executar a Fase 2 do projeto era automatizar a tarefa tanto quanto possível. Então, fomos em frente e encomendamos o melhor das tecnologias aéreas disponíveis na humanidade. 

O melhor em inovação:

Com este projeto, a Índia presenciou o uso de certos mecanismos como helicópteros de cargas pesadas (helicranes, em inglês) e outros no setor de transmissão pela primeira vez. Seja movimentando toneladas de matérias-primas da sede da operação para o local do projeto ou realizando a tarefa complexa de fixação aérea de torres de transmissão de metal, os helicranes comprovaram ser uma jogada de mestre. Além disso, o helicrane, operado por uma equipe de suporte rigorosa, permitiu-nos realizar a tarefa com o mínimo impacto ambiental. Também utilizamos tecnologias de aviação adequadas para garantir que outros aspectos do projeto estavam recebendo os devidos cuidados e, portanto, conseguiriam concluir a linha de transmissão dois meses antes da data programada.

Mas os desafios não terminam com a conclusão e o comissionamento do projeto. Com a linha de transmissão bem instalada e funcionando, nossas equipes de O&M, auxiliadas por tecnologias aéreas e outras, está assegurando meticulosamente a gestão adequada após a construção. Ao contrário do manual de vigilância dos soldados rasos, as linhas de transmissão nas áreas bloqueadas pela neve de Pir Ki Gali/Mughal Road estão sendo monitoradas por nós com a ajuda de helicópteros, de onde nossos engenheiros verificam as linhas usando binóculos. “Motos de neve” estão sendo usadas para facilitar a mobilidade em áreas cheias de neve para facilitar o monitoramento adequado ou as linhas em condições extremas. Outro exemplo essencial do uso da tecnologia é o derretimento de pesados depósitos de neve nos condutores e linhas com o auxílio de drones juntamente com os jatos d´água. 

Agradecemos a cooperação combinada do povo do estado, dos funcionários do governo/administração, dos nossos parceiros e outros envolvidos no projeto, sem os quais esse empreendimento teria sido difícil. Acreditamos verdadeiramente que com esse apoio contínuo conseguiremos iluminar todas as casas no estado de Jammu e Caxemira e, assim, abrir inúmeras oportunidades.

Vamos trabalhar juntos e sonhar com energia ininterrupta e de confiança como um direito fundamental de todo cidadão.

Sanjay Johari, CPIM, CSCP Seguir - Líder de negócios e pensamento, diretor de operações na Sterlite Power

Disclaimer: As opiniões e pontos de vista expressos neste artigo são de responsabilidade do seu autor e não necessariamente representam o posicionamento da Sterlite Power.