Capacitar a humanidade abordando os desafios mais difíceis

05 de março de 2019

Capacitar a humanidade abordando os desafios mais difíceis

Publicado em 2019 M02 12019 M02 1 • 61 curtidas • 6 comentários

  • LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter

Retribuir a humanidade

Já se perguntou quanto esforço é preciso para assegurar que você desfrute de um banho relaxante de água quente no inverno? Ou já pensou em agradecer alguém quando voltou para o conforto da sua casa com ar-condicionado após um dia de trabalho duro em um verão escaldante? Não vou culpá-lo se suas respostas para as duas perguntas acima for um categórico “não”. Essa também era minha atitude em relação a algo tão básico como a necessidade de energia e eletricidade até agora.

No entanto, os últimos anos foram de grande importância para mim. Foi durante esse período que aprendi como sua mera sobrevivência no dia a dia pode ser uma tarefa difícil.

Nos últimos anos, tive a oportunidade de trabalhar em estreita colaboração com pessoas do estado localizado mais ao norte do nosso país –Jammu e Caxemira. Minha empresa foi encarregada de realizar a tarefa de criar linhas de transmissão de energia que atravessariam os terrenos difíceis e remotos da subcordilheira de Pir Panjal, no vale de Caxemira. A alta altitude, as condições climáticas imprevisíveis e, acima de tudo, a legislação volátil e a situação da ordem pública no vale, todos esses fatores tornaram esse projeto difícil de ser realizado. Muito planejamento de planta baixa e extensas pesquisas fizeram parte do esquema do projeto. Visitas periódicas ao estado montanhoso se tornaram normais para mim. E foi durante essas visitas que percebi a importância do trabalho que minha empresa estava fazendo. Percebi como meu trabalho corporativo habitual abriria caminhos para mais de 14 milhões de sorrisos.

Durante minhas visitas a Jammu e Caxemira, fiquei frente a frente com o cenário da vida real dos habitantes locais. Um dia, visitei uma instalação médica na área de Thana Mandi. Assim que entrei, presenciei uma fila de pacientes esperando suas vezes de serem chamados. Ao perguntar, fiquei sabendo que alguns deles estavam esperando sua vez desde de manhã. Que falta de atenção do médico, pensei. No entanto, a realidade foi surpreendente. Na verdade, o médico de plantão estava igualmente preocupado. O verdadeiro problema era a falta de eletricidade. Mais tarde, fiquei sabendo que esses pacientes tinham que realizar alguns exames importantes, mas, devido à falta de fornecimento de energia, equipamentos médicos básicos como a máquina de ultrassom, unidades de raio X etc. não podiam funcionar corretamente na área. Até mesmo uma sala de operações em pleno funcionamento era somente um sonho para os moradores. E tudo isso porque o estado não tinha acesso adequado ao fornecimento de energia.

O cenário também não é diferente em outras frentes. Devido à ausência de eletricidade, as escolas continuam observando abandonos regulares. E aqueles que comparecem para estudar, consideram difícil até mesmo realizar seus deveres de casa em seus lares. Cortes de energia recorrentes, inacessibilidade à água quente e dependência dos combustíveis fósseis para aquecer suas casas durante o inverno pioram a questão.

A nova linha de transmissão, que foi encomendada alguns meses atrás, tem a capacidade de desenvolver até 1.000 MW de energia elétrica na rede norte e quase o dobro do alcance de eletricidade no estado. Além disso, com fornecimento de energia confiável, os locais não serão mais dependentes de madeira como combustível. Isso diminuiria em grande medida a pegada de carbono do estado.

 

Então, percebi que a tarefa que eu e a minha equipe estávamos prestes a cumprir não era simplesmente por dinheiro. Ia muito além. Tratava-se de prometer energia confiável e alternativa para essas grandes pessoas. A questão era garantir que uma mãe, em algum lugar da Caxemira, daria à luz uma criança com segurança. Era assegurar que todas as crianças no vale estavam exercendo o seu direito à educação. Era sobre reforçar a espinha dorsal da economia do estado. O projeto tinha como objetivo criar um impacto social. E, para ser honesto, foi ótimo fazer minha pequena parte para a melhoria da humanidade.

Subhas Ghosal Seguir - Vice-presidente de projetos na Sterlite Power

Disclaimer: As opiniões e pontos de vista expressos neste artigo são de responsabilidade do seu autor e não necessariamente representam o posicionamento da Sterlite Power.